sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Ceia de Natal da Família Escotista

Foi no passado dia 14 de Dezembro que o Grupo 212 reuniu escoteiros e pais para em harmonia e com alegria celebrarmos esta quadra festiva.
Apesar de algumas baixas, a adesão foi grande, e todos com "natalescopirito"traduzindo á letra espírito natalício escoteiro, e se mesmo assim não entendem, passo a explicar.Num acto de solidariedade Natalicia todos resolveram fazer greve de fome. Foi impressionante o esforço de todos, parecia promessa, os chefes, esse para abrilhantarem a noite, criaram um ambiente diferente com efeitos especiais, o fumo a imitar Londres parecia real, a ponto de alguns se comoverem e deixarem soltar uma lágrima.Para que tu acontece-se o melhor possível logo no inicio da tarde todos puseram mãos á obra e procedemos á limpeza e decoração da sede, ao mesmo tempo que alguns mais nervosos preparavam o Compromisso de Honra, momento solene que se deu antes do inicio do jantar.Tivemos cerimonias de 1ª etapa, que significa que os escoteiros superaram os desafios propostos no seu progresso escotista, e depoisssssssss, o jantar. Regado a preceito teve direito a entradas e sobremesas trazidas pelos nosso escoteiros e oferecidas por uma padaria local.
Foi uma noite animada e divertida, apesar do frio e...
...Se queriam saber mais estivessem lá!Para terminarmos em beleza tivemos a troca de prendas e a limpeza!

Até á próxima festa com novidades e surpresas ou nao fossemos escoteiros!



Sejam e façam os outros felizes !Boas Festas são os votos de todos os escoteiros do Grupo 212 de Oliveira de Azeméis!



2.767 Toneladas de ajuda

2.767 Toneladas de alimentos, foi o conseguido em mais uma campanha do Banco Alimentar, e os escoteiros de Oliveira de Azeméis não fugiram ás suas responsabilidades.Foi nos dias 30 de Novembro e 1 de Dezembro, que esta acção de solidariedade decorreu, e todos responderam ao chamamento mais uma vez. Organizados em equipas, revezando-se a cada  2 horas, os escoteiros contribuíram para um natal mais feliz de muitas famílias.

São acções como esta que ajudam a dignificar o escotismo, e ao mesmo tempo que criam nos nossos jovens o sentimento de solidariedade, auxilio ao próximo, sensibilidade e participação activa na sociedade, tornando-os mais justos e esclarecidos dos problemas da sociedade actual.

Aos milhões que de alguma forma colaboraram neste Banco Alimentar Contra a Fome, (quer doando bens, quer dando o seu tempo como voluntários) um muito obrigado!

De certo o mundo ficou um pouco melhor do que o encontramos! 

Reflorestar Portugal

 http://www.plantarportugal.org/index.php/semana-da-reflorestacao-nacional

Mais uma maravilhosa iniciativa.........

O Grupo 212 de Oliveira de Azeméis, participou no Reflorestar Portugal, e esteve presente na Associação D. Urraca Moreira, vejam as fotos, até fizemos uma Horta, aprendemos muita coisa sobre a natureza, Um Obrigada ao Hugo e restantes membros presentes, foi muito giro.

sábado, 5 de outubro de 2013

Em busca da Associação D. Urraca Moreira

Sábado dia 28 partimos á descoberta de um dos trilhos para a  Associação D. Urraca Moreira.
A Associação D. Urraca Moreira é uma associação sem fins lucrativos, que foi criada por cidadãos naturais ou residentes no concelho de Oliveira de Azeméis, em 16 de Agosto de 2011 e têm como objetivo, proteger e divulgar o património histórico e ambiental do Concelho de Oliveira de Azeméis.



Com os pés na uva...

Dia 21 de Setembro foi dia de vindima e o Grupo 212 não faltou a mais uma grande aventura. A tribo Viking e a Tribo Tukano apanharam e pisaram as uvas de tinto Americano. Ficamos todos a saber que pisar as uvas dá muita michão na perna... Os escoteiros participaram na caça á anilha para o lenço que estava escondida por entre as videiras.


 

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Há Festa na Aldeia UL

Sábado dia 14 o Grupo 212 Oliveira de Azeméis visitou a Festa na Aldeia  instalada no Parque Molinológico de UL.
No parque fez-se BTT aproveitando a Rota do Moleiro e assistiu-se a grande e espetacular queda do Chefe Francelho, proporcionando o momento do dia...
Feito o BTT foi altura de treinar o Tiro ao Alvo com arco onde acertamos em todo o lado menos no alvo.

sábado, 21 de setembro de 2013

Os escoteiros do grupo 212 de Oliveira de Azeméis, estiveram presentes nos dias 7 e 8 de Setembro no Estádio Nacional do Jamor, nas comemorações do centenário da Associação dos Escoteiros de Portugal.
Durante o fim de semana os mais de dois mil participantes da actividade, tiveram oportunidade de conviver, rever e fazer novos amigos, e participar nas enumeras actividades preparadas para eles, escalada, orientação, catapultas, grafitti, linguagem gestual, jogos de acção, canoagem, tiro ao arco, artes marciais orientação solar, entre muitas outras actividades especificas para a camada etária onde estavam inseridos. O grupo Oliveirense, fez se representar com 16 elementos, neste momento histórico do escotismo Português.



sábado, 24 de agosto de 2013

Abrigos

Já dormiste em abrigos? São fáceis de montar, não tens de os transportar às costas, são só vantagens. Reza para que não sejas devorado pelas melgas! Uma maravilha para quem gosta de disfrutar do escotismo ao Natural.
A função principal de um abrigo é proteger o Escoteiro do frio, vento, chuva e outras condições climatéricas desagradáveis ou mesmo perigosas para a sua saúde. Um abrigo bem construído também pode oferecer conforto e bem estar psicológico.
Quanto maior for o tempo de acampamento, maior será a importância a dar à forma como o abrigo é construído. Um abrigo feito à mão pode ir de um rápido e simples alpendre a uma cabana de troncos completamente calafetada. A sofisticação do abrigo que decidires construir depende de vários factores como o tempo e material disponíveis, o conforto pretendido e naturalmente o engenho do "artista"! Uma característica fundamental para construíres um abrigo eficaz e "habitável" é improvisar. A improvisação combinada com a criatividade e alguns conhecimentos básicos podem produzir um abrigo robusto e confortável.
Local
Procura um local seco para acampar. Não te esqueças de verificar se o terreno é plano, se não contém pedras, ramos ou coutos de troncos (daqueles que nos fazem dar voltas a noite inteira sem dormir!). O conforto do abrigo começa com a escolha do local. Um ponto alto no terreno, um local bem aberto e afastado de pântanos é o ideal.
Tem atenção à intensidade e direcção do vento. A entrada do abrigo deve sempre estar 'de costas' para o vento. Se fizeres uma fogueira deves fazê-la na direcção da entrada.
Mãos à Obra!!!
O tipo de abrigo a construir depende do tempo disponível para o preparar e do tempo que nos vamos servir dele.
Alguns tipos de abrigo:
Abrigo de pára-quedasFaz-se abrindo um pára quedas (ou qualquer outro material parecido) sobre uma corda ou trepadeira esticada entre duas árvores.
Abrigo Mongol À volta de um tronco de uma árvore, a cerca de 2metros de altura amarram-se várias espias que se estendem obliquamente para estacas colocadas no chão a cerca de 2 metros da árvore e com aproximadamente 50 cm de altura. Imaginem como se fosse um guarda-chuva gigante, em que o tronco é o suporte central e as várias espias de sisal grosso são as varetas. As varetas estendem-se até à ponta das estacas. Perpendicularmente às "varetas" passam-se várias linhas de sisal espaçadas cerca de 50 cm entre si. À altura das estacas cobre-se com uma faixa de tecido impermeável. A restante cobertura pode ser feita com oleados.
Abrigo do Índios Navajos ou abrigo subterrâneo Escava-se no solo um buraco rectangular ou quadrado, com cerca de um metro de profundidade. Escoram-se as paredes com toros presos por estacas e faz-se uma rampa de acesso. Criam-se cerca de três estacas de cada lado (na parte de fora, afastados cerca de 50 cm do limite do buraco) para suportarem um tronco que servirá de apoio às varas do colmo. O colmo é constituído por diversas varas flexíveis que atravessam o abrigo de lado a lado, formando uma cobertura curva. Cobre-se a estrutura com folhas, oleados, panos de tenda... Não te esqueças de fazer um respirador!!
Este abrigo é desaconselhado a épocas de chuva, porque inunda sempre!

Aperto de mão Escotista

Existem diversas explicações para o uso do aperto com a mão esquerda (Canhota) pelos escoteiros. Julgo que a mais realística é a aqui transcrita.



"...Em 1893, B.P. foi enviado numa expedição à colónia britânica da Costa do Ouro (África Ocidental), para pacificar os Ashantis, fazer cumprir o tratado de 1874 e pôr termo ao contrabando de escravos. Quando da queda do Kamussi, um dos Chefes veio ao encontro de B.P. e estendeu-lhe a mão esquerda. B.P. estendeu-lhe a mão direita, mas o Chefe disse-lhe:
"Não, no meu país, ao mais bravo entre os bravos cumprimenta-se com a mão esquerda".
B.P. reparou que, enquanto o chefe lhe estendia a mão esquerda, levantava a direita aberta, por cima da cabeça, o que significava que era um amigo leal, pois a mão utilizada normalmente para segurar a arma estava vazia.
A mão esquerda também era a mão que segurava no escudo e quando um guerreiro cumprimentava com a mão esquerda tinha que afastar o escudo, ficando, portanto, desprotegido. Este também era um sinal de confiança e de lealdade para com a pessoa que se estava a cumprimentar. O aperto de mão com a mão esquerda demonstra algo ainda mais nobre, o desejo dos homens acreditarem uns nos outros! Os escoteiros cumprimentam-se apertando a mão esquerda, entrelaçando os dedos mindinhos..."

Saudação

"A saudação é um sinal usado entre pessoas de categoria, poder saudar alguém é uma honra e um privilégio.
Nos tempos antigos os homens livres tinham todos direito a usar armas, e ,quando se encontravam, levantavam ambos a mão direita para mostrar que não levavam armas e que se encontravam como amigos. O mesmo sucedia quando um homem armado encontrava uma dama.
Actualmente as pessoas não andam armadas. Mas aqueles que tinham direito a isso, como os cavaleiros, escudeiros e homens de armas, isto é, os que viviam dos seus rendimentos ou ganhavam o seu sustento, ainda fazem o gesto de se saudarem uns aos outros levantando a mão ao chapéu, ou mesmo tirando-o.

A tua saudação mostra apenas que és pessoa honesta e queres bem aos outros. Não tem nada de servil".

É um excerto do Escotismos para Rapazes, explicando o porquê da saudação.

O sinal escotista faz-se levantando a mão direita, de palma para a frente, polegar apoiado na unha do dedo mínimo e os outros dedos direitos, apontando para cima. Os três dedos lembram ao escoteiro os três artigos da Promessa (Compromisso). O polegar simboliza o "forte" e o dedo mindinho o "fraco", ou seja, o forte protege o fraco. Não é fraco de espírito mas aquele que, em determinado momento, precisa de ajuda do seu irmão mais forte.

Há, notoriamente, uma simbologia de cavalheirismo, honra, associada à saudação escotista, mas também ressalta o amor pelo próximo, algo que nos transmite a espiritualidade inerente ao ser escoteiro.

Sinais de Pista

Sinais de Pista

OBJECTIVOS:
a) Deixar informações sobre um percurso de trilha.
b) Observar de forma mais atrativa a natureza.
REGRAS:

Os sinais de pista devem seguir uma regra especifica, já que o objectivo principal é conseguir chegar ao destino, atavés da pista deixada:

a) Deve ser colocado sempre do lado esquerdo do trilho (coloca-se no lado direito nos países onde a circulação automóvel se faz pela esquerda).
b) Dever estar sempre visível.
c) Se existir vento, não usar folhas ou papel.
d) Não estar a uma altura superior a 1 metro.
e) Em entrocamentos e cruzamentos de trilhos usar sempre o sinal "Caminho a evitar".
f) Devem obedecer uma distância de:
1. Em terrenos dificeis: de 2 em 2 metros.
2. Em Rochas; de 5 em 5 metros.
3. Em matas e florestas: de 20 em 20 metros.
4. Em prados, campos: de 30 em 30 metros.
MATERIAIS PARA FAZER SINAIS:
Podemos utilizar diversos materiais para fazer os sinais de pista, entre eles podemos citar:
a) Pedras,
b) Gravetos,
c) Troncos secos de árvores,
d) Barro batido.
e) Outros
SEGUINDO UMA PISTA
Quando se segue uma pista, a Patrulha precisa de estar bem unida em conceitos, opniões organização e decisões, pois disto depende o sucesso da mesma. Neste sentindo a pista é seguida tendo em consideração:
1. Ao encontrar um sinal a Patrulha deve parar e entender qual é a mensagem.
2. Ao passar o sinal, certificar-se que se deixa em perfeito estado para a Patrulha seguinte.
3. Se for a última Patrulha, desmanchar os sinais de pista.
4. Sempre ficar alguém no local do sinal até encontrar o próximo, que sendo na mata, deverá estar a 20 metros de distância.
5. Nunca se afastar do grupo ao ponto de se perderem.
OS SINAIS....

Código de Campo da AEP

Código de Campo da AEP

É uma das provas de 1ª Etapa da Tribo de Escoteiros. Não é só para decorar, é para entendê-la e cumpri-la.

Sê cortês
  • Se encontrares alguém no campo, cumprimenta. O Escoteiro é educado.
  • Ser afável, é algo que deve fazer parte da tua maneira de ser, por isso, ser afável para com os habitantes das regiões que visitas, deverá ser algo natural.
Respeita o trabalho dos agricultores.
  • O trabalho dos agricultores deverá ser respeitado, por isso não mexas nas suas colheitas, sementes, plantações, lenha, maquinaria, etc.
  • Uma ovelha pode ser engraçada, mas os animais não devem ser perturbados. Por isso, não lhes mexas, a não ser que tenhas permissão dos donos e não espantes os rebanhos.
Respeita a propriedade alheia.
  • Ninguém gosta de ver a sua casa usurpada, por isso, não acampes sem pedir autorização.
  • Mantém-te em caminhos públicos quando atravessares os campos e as quintas, para não perturbar os proprietários.
  • Respeita os letreiros de proibição (eles estão lá por alguma coisa) e nunca caminhes por campos cultivados, para evitares danificar o trabalho dos agricultores.
  • Usa os portões para atravessar vedações, sebes e muros. Não somos banderlogues... Caso contrário vais acabar por os estragar.
  • Fecha com cuidado todos os portões e cancelas quando passares, para evitares danificá-los e fazer barulho.
  • Não cortes nunca uma árvore sem autorização e pede autorização para subi-las.
  • Obtém sempre permissão antes de fazer fogueiras e depois tem cuidado para não prejudicar as árvores e construções.
Protege os animais e as plantas.
  • Os animais não são brinquedos vivos, por isso não captures nem prendas os animais que possas encontrar e não faças mal aos pássaros nem mexas nos seus ninhos.
  • Não arranques flores nem partas os ramos das árvores.
Respeita os sons da natureza.
  • Não faças barulho desnecessário.
  • Não leves para o campo aparelhos de som (rádios, leitores de Cd’s, etc.) para poderes escutar a natureza.
Ajuda a manter toda a água limpa.
  • A Água é um bem precioso. Não sujes as fontes, as nascentes nem a água dos ribeiros.
  • Não deixes as nascentes de água potável sujas, a água é necessária para o agricultor. E lembra-te... Deixar o mundo um local melhor, está em todos os momentos...
Tem o máximo cuidado com o fogo.
  • Toma todas as precauções para evitar o risco de incêndio, tendo em atenção os períodos em que se pode fazer fogo.
  • Não acendas fogo desnecessário, sobretudo com vento forte.
Deixa tudo limpo.
  • Junta todo o lixo num saco resistente para depois o deitares num contentor na próxima povoação, lembrando-te da separação.
  • Deixa o campo melhor do que o encontraste.

Acender uma fogueira sem fósforos...

Com lente de vidro

É algo simples. Basta colocares uma lente (de um velho binóculo, de uma lupa, ou até mesmo dos óculos sobre uma mecha (de caruma, etc) e... Aqui vai disto... Utiliza a parte convexa da lente, ok?

Atrito com pedra dura
Arranja um bocado de pedra dura e, com a ponta de aço de uma faca, consigas fazerr faíscas com o atrito. Se a pedra se partir, ou se se riscar facilmente, procura outra... Aproxima a pedra da mecha que criaste para que as faíscas a atinjam mais facilmente. Cuidado com os olhos, não vá saltar alguma faísca ou lasca da pedra. Depois de criar alguma chama, sopra levemente e vai alimentando a fogueira com pequenos gravetos até poderes colocar lenha mais “sólida”.

Com pilhas
Um bocado de palha de aço, de fraca resistência, ligado aos pólos de duas pilhas ou a qualquer outra bateria vai incendiar-se. Também podes provocar faíscas com dois fios ligados aos pólos (positivo e negativo) da pilha/bateria. Junta as pontas dos fios junto à mecha encosta os fios a afasta-os rapidamente. O curto-circuito criad gera faíscas suficientes para começares a tua fogueira.
Atrito com couro
Cria-se atrito com uma tira de couro, ou uma corda qualquer de fibra roçando-a insistentemente num tronco morto ou seco junto a uma mecha que se acenderá com o fogo.

Atrito
Esta é uma das minhas preferidas. Tens de ter paciência e muita determinação, mas funciona bem.

  • Encontra uma bocado de madeira macia com cerca de meio metro de comprimento e 5 ou 10 cm de largura que servirá como placa de atrito. Salgueiros e álamos são uma boa madeira para esta técnica e é fácil encontrá-los perto de rios e lagos.
  • Escava uma ranhura pequena com cerca de 15 a 20 cm de comprimento no centro da placa. Use a tua faca-de-mato ou uma pedra afiada.
  • Utiliza um graveto de madeira sólida para fazeres o atrito. O comprimento do graveto deve ter cerca de 30 cm e uma das extremidades precisa ser pontiaguda.
  • Coloque o bocado de madeira no chão e insere o graveto na ranhura.
  • Mexe o graveto para frente e para trás ao longo da ranhura com pressão moderada, o que evita que se parta e cria pequenos bocadinhos de serradura.
  • Quando existir um volume suficiente de serradura, levantas a ponta da placa e a apoias a mesma no teu joelho. A serradura acumular-se-á na ponta mais baixa da ranhura.
  • Esfregas a ranhura o mais rápido possível com o graveto, fazendo uma forte pressão, até que a serradura se inflamará. Sopra lentamente o material inflamável até conseguires uma chama que possas utilizar para iniciar a fogueira.

Arco
Esta é a outra técnica de fricção, e esta é mesmo a minha preferida.
  • Pedra lisa, do tamanho da mão, com uma ligeira depressão de um lado.
  • Broca - Uma bocado de madeira forte, com cerca de 30 cm de comprimento e de 3 a 5 cm de diâmetro.
  • Placa base - Uma placa lisa de madeira macia com sensivelmente 30 cm de comprimento, 15 cm de largura e 2 cm de espessura.
  • Arco - Uma vara flexível de madeira verde com, aproximadamente, de 2,5 cm de diâmetro e de 45 a 60 cm de comprimento.
  • Corda - Atacadores de sapatos servem perfeitamente
Depois de juntares o material, é hora de acender o fogo.
  • Faz uma depressão pequena e arredondada no centro da placa base.
  • Faz um corte em V apontando para baixo no centro da placa, de forma que ele fique enquadrado com a depressão.
  • Dobra o arco em forma de meia-lua e amarra-o com os atacadores dos sapatos.
  • Posiciona a placa no chão e uma pequena quantidade de material inflamável sobre o corte em V.
  • Segura a placa com o pé para que exista estabilidade e posiciona o arco em torno da broca, apoiada na depressão central da placa.
  • Coloqua a pedra sobre a broca, pressiona-a moderadamente e aciona a broca com movimentos repetitivos do arco. Isso fará com que a broca gire e criará um pó preto e quente que cairá sobre o material inflamável. Em pouco tempo, surgirão chamas e poderás transferir o material inflamável aceso para o local da fogueira.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013




Grande abertura do Grupo 212! Dia 31 de Agosto às 15h na sede vem conhecer os novos chefes as novas escoteiras e as novas atividades que temos para ti! Não te esqueças! Areja o uniforme, vê se as botas te servem e não fiques no sofá. Estamos à tua espera para começarmos a planear grandes aventuras para este ano do nosso CENTENÁRIO!!!!!!!!!
  

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Abertura do Grupo 249 Aveiro

Sábado o Grupo 212 esteve na abertura de mais um grupo no distrito de Aveiro, que já conta com quatro grupos.

ECG Ricardo perante as Chefias no compromisso
Entrega da lembrança do Grupo 212 ao Grupo 249
Boa caça 249 Aveiro



sexta-feira, 26 de julho de 2013

Insígnia Associativa

Insígnia da AEP actualmente designada como Símbolo AEP Clássico


A insígnia associativa da Associação dos Escoteiros de Portugal e de quase todas as associações escotistas, é a flor-de-lis. A flor-de-lis encontra-se na base das insígnias das associações escotistas, as quais lhe juntam elementos capazes de fazer sobressair a sua nacionalidade.

Assim, o carácter nacional da AEP traduz-se pela sobreposição à flor-de-lis, do escudo das quinas, símbolo que figura na bandeira de Portugal, e da divisa «Sempre Pronto», inscrita num listel, cuja forma semelhante à de um sorriso demonstra a satisfação de se estar preparado para agir, de acordo com os ditames do Compromisso e da Lei, em qualquer situação que se apresente. 

O significado da insígnia associativa é o seguinte:  


1 Pétalas superiores - recordam os três artigos do Compromisso de Honra;

2 Linha vertical sobre a pétala central - simboliza o Norte, o rumo certo, o bom caminho que deve orientar a vida de um escoteiro; 

3 Estrelas nas pétalas laterais - representam os dois olhos vigilantes do escoteiro e os dez vértices das estrelas recordam os dez artigos da Lei do Escoteiro; 

4 Escudo das quinas – o escudo de armas de Portugal identifica a Pátria dos Escoteiros de Portugal; 

5 Travessão ou anel de união das pétalas - significa a fraternidade Mundial escotista; 

6 Listel «Sempre Pronto» - é a Divisa do Escoteiro e a sua forma lembra também o sorriso que demonstra a satisfação de se estar preparado para agir;

7 Nó de remate do listel - é o nó da Boa Acção e chama a atenção para a sua prática diária.

domingo, 21 de julho de 2013

Formação de Dirigentes

Durante o fim de semana de 20 e 21 Julho, reuniram-se no campo escola da Caparica, os formadores da escola de dirigentes da A.E.P.(ENFIM) com vista a melhor dinamizar e qualificar a formação dos chefes das estruturas associativas, estas jornadas serviram também para actualizar os conteúdos pedagógicos para todo o universo dos Escoteiros de Portugal.
O grupo 212 esteve representado, com um Instrutor de Formação, que participou activamente nestas jornadas, que tinham por objectivo preparar uma formação mais concreta para os dirigentes.
Novas regras e desafios foram definidos o que tornará os Escoteiros de Portugal uma escola de valores e cidadania ainda mais proactivos e dinâmicos , e com um grau de exigência ainda maior, o que proporcionará aos nosso jovens maior dinamismo, alegria , jogos, responsabilidade e dedicação ao próximo, não descurando o progresso pessoal, definido individualmente e conscientemente.

A associação de Escoteiros de Portugal tem como missão auxiliar crianças e jovens a terem um papel activo na sociedade , esclarecidos e solidarios.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

O que é o Escotismo? Perguntas e Respostas

O Escotismo é um movimento educacional para jovens - daí também o nome Movimento Escoteiro - com a colaboração de adultos. Como educação não formal o Escotismo complementa a escola e a família, através de actividades que não são realizadas nestes dois ambientes. O Escotismo estimula o jovem a conhecer a sua necessidade de explorar, descobrir, querer saber. Os escoteiros descobrem o mundo que está além da sala de aula e aprendem, entre outras habilidades, a ouvir o outros para aprender e passar o seu conhecimento ao próximo. Assim o Escotismo é EDUCAÇÃO PARA A VIDA.
Qual é o propósito do Escotismo?
Através da recriação, o Escotismo pretende e alcança o objectivo de ajudar os jovens a desenvolver fisica, intelectual, social e espiritualmente.
Os Escoteiros são militares?
Não há nenhum vínculo entre o Escotismo e qualquer força armada. O Movimento escoteiro não é uma nenhuma força para-militar nem pré-militar.
Quem pode participar?
O Escotismo é aberto a todos, sem discriminação de raça, credo, origem, condição social ou física. Todos podem ser escoteiros.
As raparigas também podem participar?
Sim, as raparigas também participam. O Escotismo ensina aos rapazes e raparigas a cooperarem no desenvolvimento das tarefas e conhecimento mútuo.
E os adultos?
O escotismo é mais voltado para os jovens, mas os adultos são imprescindíveis na aplicação do programa escotista. Ao mesmo tempo também beneficiam à medida que têm uma hipótese de voluntariamente ajudarem crianças e jovens. Na actividade voluntária os adultos adquirem valiosos conhecimentos, passam por novas experiências que, certamente, aumentam muito o desenvolvimento pessoal de cada um.
Há algum método?
O método escoteiro pode ser resumido nos seguintes pontos:
COMPROMISSO PESSOAL - através de um código simples de viver: a Promessa e a Lei escoteira.
APRENDER FAZENDO - participação activa e na prática.
VIDA EM EQUIPA E DESENVOLVIMENTO PESSOAL- em pequenos grupos desenvolve-se a liderança, habilidades para trabalhar em grupo e responsabilidade individual.
ACTIVIDADES PROGRESSIVAS DIFERENTES E VARIADAS - actividades progressivas baseado nos interesses dos jovens e em contacto com natureza. Em suma, um ambiente de aprendizagem rico onde a simplicidade, criatividade e descoberta promovem um conjunto de aventura e desafio.
DESENVOLVIMENTO PESSOAL PELA ORIENTAÇÃO INDIVIDUAL- É posto em ênfase a realidade vista do ponto de vista de cada jovem, confiando-se nas potencialidades de cada um. O exemplo pessoal do adulto é fundamental.
É necessário pertencer a alguma religião específica?
Não o escotismo não está vinculado a nenhuma religião ou crença específica.
Os Escoteiros envolvem-se com a comunidade?
Os escoteiros participam atendendo necessidades reais. Os escoteiros estão envolvidos num número vasto de assuntos relacionados com as comunidades onde vivem.
Quem paga as despesas do escotismo?
Infelizmente são os próprios escoteiros que pagam. No Grupo todos os elementos pagam uma mensalidade. No caso de haver um acampamento, cada escoteiro paga uma quantia estipulada pelos chefes de grupo, que visa cobrir todas as despesas da actividade.
Quanto ao material individual, tendas, botas, canivetes, etc, cada elemento é responsável pela sua aquisição. O material de uso colectivo é da responsabilidade do Grupo e comprado com o dinheiro das mensalidades.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Em altura de Centenário eis que chegam os reforços de verão:

AQUELÁ Chefe Rita
ECTEX Rui Caralinda
Maria João TES Patrulha Pantera
Mostra que tens coração de Escoteiro, faz como eles junta-te á família do 212 Oliveira de Azeméis, estamos todos a tua espera...

segunda-feira, 8 de julho de 2013

100 ANOS DA AEP - COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO



Escoteiros,

A AEP faz 100 anos e este é um festejo ao qual não podemos faltar.
Queremos que o nosso grupo esteja em peso nesta mega festa do Escotismo!

Local da Atividade: Complexo Desportivo do Jamor, Concelho de Oeiras.
  7 e 8 Setembro 2013

Check-in:
- sábado dia 7 de setembro (das 8h00m às 10h00m)
Check-out:
- domingo dia 8 de setembro a partir das 13h30m

Regime de dormidas:
- Acantonamento em função do número de participantes. As dormidas serão por Divisão.

Alimentação:
- é da responsabilidade dos participantes as mesmas deverão ser volantes.


LIMITE DAS INSCRIÇÕES - 14 JULHO!

Os escoteiros interessados em participar devem fazer a sua inscrição junto da chefia do 212, o mais rápido possível! Vamos lá mostrar a nossa garra...



 E porque os Cem anos só se comemoram uma vez,
 

 O GRUPO 212 NÃO PODE FALTAR!!!

sábado, 6 de julho de 2013

Uma Aventura 100 Espinhos

Dia 29 e 30 de Junho as Tribos do 212 fizeram rumo a Silvalde para participarem num acampamento selvagem e Jogo de Cidade que os levou a conhecer um pouco da história de Espinho. Visitaram o Agrupamento 1114 do CNE o Grupo 248 de Espinho e a praia claro..., entre outras coisas.






 Participaram num jogo de pistas para encontrarem o Campo Lobo Cinzento
  A Patrulha Carneiro da TEX em Amarações

 
 No domingo foi dia de visitar a exposição do Lobo Cinzento Chefe Victor Peixoto no Mosteiro de Grijo






Raid Arouca PR 13 Na Senda do Paivó

Dia 15 de Junho o Grupo 212 Oliveira de Azemeis fez um Raid até a aldeia de Regoufe e visitou as antigas minas de Volfrânio e na volta não faltou o banho nas cascatas naturais. Muito bem 212 um bravo para as tribos Tes e Tex.